Rolar

Rolar

< Voltar

O que vocês tem a dizer sobre estudos recentes que mostram que o glifosato é cancerígeno?

Responda

Olá. Como a segurança dos nossos produtos é uma prioridade para nós, continuamente conduzimos estudos sobre a segurança dos mesmos, assim como acompanhamos os resultados obtidos por estudos externos. Com relação aos dados que você compartilhou conosco, não tivemos acesso ao estudo original que nos permita uma análise científica criteriosa e assim opinarmos a respeito. No entanto, antecipadamente ressaltamos que o percentual de 90% da amostragem, colocado por você, se refere ao número de pessoas que participou do estudo e não 90% da população de uma cidade, como sugere o título de algumas matérias. De toda forma, a simples detecção de glifosato na urina não significa risco à saúde. Você sabia que podem ser encontradas diferentes substâncias na nossa urina? E você sabe a razão disso? A urina é exatamente a via de eliminação de substâncias que o nosso corpo não absorveu, e assim, o glifosato é eliminado pela urina, não se acumulando no corpo. E você sabe por que o glifosato é eliminado pela urina e não se acumula no corpo humano? Isso ocorre porque o glifosato não tem ação bioquímica nos tecidos animais. O glifosato age em células vegetais inibindo a atividade de uma enzima responsável pela produção de aminoácidos necessários para o crescimento das plantas, e essa enzima não é encontrada nos animais, como nós, seres humanos, por exemplo. O Instituto Federal de Avaliação de Risco da Alemanha (BfR) recentemente avaliou dados de resíduos de glifosato em sete estudos publicados e concluiu que os níveis encontrados estão claramente abaixo de qualquer nível que possa ser considerado preocupante para a saúde humana. Já um estudo recente da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos, analisou amostras de leite materno e urina de mães lactantes quanto à presença de glifosato e de seus metabólitos, utilizando metodologias cientificamente validadas. O glifosato ou seus metabólitos não foram detectados em nenhuma das amostras de leite materno, mesmo nos casos em que havia quantidades detectáveis na urina das mães. Os resultados mostram ausência de resíduos na urina ou níveis muito abaixo dos níveis de segurança. Se quiser saber mais sobre os diversos estudos que já concluíram que o glifosato é seguro, acesse o link em http://monsanto.info/1XIyT9 ou http://bit.ly/1xGTT2k, que contem informações adicionais (em inglês).

glifosato-seguranca 2


< Voltar