Orgulho de pertencer: Monsanto na Parada LGBT

Cerca de 3 milhões de pessoas se reuniram no domingo, 3 de junho, para a 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que teve como slogan “Poder pra LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz”. O evento celebra a diversidade, pede mais amor e respeito à comunidade e já está entre os mais importantes do mundo. Pelo segundo ano consecutivo, a Monsanto apoiou a participação de seus colaboradores e ganhou destaque na imprensa com matérias na Isto É Dinheiro e na Fashion Bubbles.

Gabriel Brasileiro, líder da Aliança LGBTA da Monsanto, afirma que “participar da Parada, seja como empresa ou como pessoa física, significa unir-se ao movimento e defender o tratamento digno a essas pessoas, como o acesso aos mesmos direitos do restante da população e o combate à LGBTfobia”.

A estagiária de Comunicação e Marketing Institucional, Brenda Ailin, participou pela primeira vez da Parada e levou sua mãe para conhecer o evento. “Apesar de ter vontade de participar do evento há alguns anos, o que me motivou a realmente me envolver dessa vez foi o apoio da Monsanto e a importância que a empresa dá aos assuntos referentes à inclusão e à diversidade. Apoio a causa e acho importante nos engajarmos nesses assuntos e contribuirmos oferecendo o nosso suporte. Adorei ter a oportunidade de observar as cores, o brilho e a alegria que a Parada transmite, e a luta pelo respeito que o evento traz”, ela lembra.

Inclusão e diversidade (I&D) para a Monsanto são parte do dia a dia da empresa e da sua forma de fazer negócios, em que os colaboradores são engajados a entender a importância do assunto e todos os benefícios de ter um ambiente diversificado. O tema conta uma política estruturada e com o apoio da liderança. Os colaboradores podem participar dos networks de I&D – Aliança LGBTA, Mulheres 360, PcDs Sem Fronteiras, Juntos pela Igualdade das Etnias e Integrando Gerações – e incentivar ações que ampliem a colaboração e que garantam um ambiente corporativo plural.

Foi graças a esse espaço que, duas semanas antes da Parada, os aliados – nome do grupo que apoia as questões LGBT dentro da empresa – e outros colaboradores interessados se reuniram para um briefing, no qual foi compartilhado o histórico do evento e os principais dados de violência contra a população LGBT no Brasil.

No país, os assassinatos de LGBT cresceram 30% entre 2016 e 2017, segundo o Grupo Gay da Bahia (GGB), e nos colocaram no topo do ranking de mortes por conta da “LGBTfobia”.

Além disso, o estudo da Center for Talent Innovation mostra que, apesar de 75% das empresas investirem em políticas que proíbem discriminação por identidade de gênero e orientação sexual, 61% dos funcionários LGBT no Brasil dizem esconder sua sexualidade no trabalho.

Assim, momentos de abertura para o diálogo e um ambiente de respeito são importantes para discussões sobre o respeito às diferenças e a igualdade de oportunidades.

“Na Monsanto, procuramos os melhores talentos, independente da geografia, gênero, raça, crenças, orientação sexual, identidade de gênero, idade ou deficiência. Temos uma política bastante sólida para garantir a pluralidade no ambiente de trabalho e ela tem nos ajudado não só a assegurar a presença do diverso, mas também integrá-lo e fazê-lo funcionar. Além disso, temos um Conselho de Diversidade que é um meio pelo qual desenvolvemos líderes para estimular a cultura interna de inclusão e considerar a contratação de talentos diversos em todos os níveis da organização”, completa o líder da Aliança LGBTA.

Artigos Relacionados